Happy Birthday, Cidade das Cerejas: 3 anos!

Oi, gente! Tudo bom com vocês? Sim, eu andei um pouco sumida mas é por um bom motivo: finalização dos projetos do meu ÚLTIMO semestre da faculdade, então está correria pura, mas não vim pra falar sobre isso e sim sobre uma coisa super importante pra gente, do Cidade das Cerejas. 
Hoje, dia 14 de novembro, completamos 3 anos de blog. SIM, 3 ANOS!
Apesar de não termos tanta visibilidade como outros blogs por aí, nós temos nossos seguidores que estão sempre de olho em nossos conteúdos e a gente valoriza isso. E muito! 
Só temos a agradecer por vocês gostarem de tudo que preparamos com maior carinho durante esses anos de história do blog.
Queria poder dizer que vamos fazer uma festança com sorteios, mas infelizmente, não poderemos... MASSSSSSSSS, Natal está aí. Quem sabe vocês não ganhem uma surpresa de nós? Fica aí a dica. 


Resenha: Minha Lady Jane - Cynthia Hand, Brodi Ashton e Jodi Meadows

Sinopse:
Toda história tem sempre duas versões…
Inglaterra, século XVI, dinastia Tudor. O jovem Rei Eduardo VI está à beira da morte e o destino do país é incerto. Para evitar que o poder caia em mãos erradas (leia-se: nas mãos de Maria Sangrenta), Eduardo é persuadido por seu conselheiro a nomear Lady Jane Grey, sua prima e melhor amiga, como a legítima sucessora
Aos 16 anos, Jane está em um relacionamento muito sério com seus livros até ser surpreendida pela trágica notícia de que terá de se casar com um completo estranho que (ninguém lembrou de contar para ela) tem um talento muito especial: a habilidade de se transformar em cavalo. E, pior ainda, descobre que está prestes a se tornar a nova Rainha da Inglaterra!
Arrastada para o centro de um conflito político, Jane suspeita de que sua coroação na verdade esconde um grande plano conspiratório para usurpar o trono. Agora, ela precisa definitivamente manter a cabeça no lugar se… bem, se não quiser literalmente perder a cabeça.
Um rei relutante, uma rainha-relâmpago ainda mais relutante e um nobre (e) garanhão puro-sangue que não se conformam com o destino que lhes foi reservado; uma história apaixonante, envolvente, cativante, sedutora… e mais uma porção de sinônimos que só Lady Jane seria capaz de listar. Tudo com uma leve semelhança com os fatos históricos.

…afinal, às vezes a História precisa de uma mãozinha.

Lady Jane Grey foi uma pessoa que realmente existiu. Aos 16 anos ela assumiu o trono da Inglaterra, porém seu reinado não durou muito tempo. Nove dias depois de assumir o trono, ela foi decapitada e teve seu trono usurpado. As autoras do livro resolveram dar um rumo menos trágico para a estória de Jane. Elas se basearam em acontecimentos históricos verdadeiros e fizeram algumas adaptações.

O livro mistura a trama política da Era Tudor na Inglaterra do século XVI com elementos fantásticos. Na história, alguns personagens possuíam a habilidade de assumirem uma forma animal. Eles eram chamados de edianos. Eles sofriam forte perseguição de um grupo extremamente conversador, chamado verdáticos.

O jovem Rei Eduardo descobre que está morrendo. Por não ter nenhum herdeiro, ele tem medo de que o poder caia nas mãos da sua irmã verdática e fanática. Assim ele resolve passar a sucessão do seu trono para a sua prima: Lady Jane Grey, uma garota de 16 anos que ama livros. Mas para isso ela deveria se casar com o filho do conselheiro do rei, Gifford Dudley. Só que Gifford é um ediano que passa metade do seu dia na forma de um cavalo, mas Jane não sabe disso.

Fazia tempos que eu não lia um livro tão engraçado. O humor presente na história, seja nos diálogos entre os personagens, nas descrições feitas pelas autoras ou até nos comentários delas, bastante presentes ao longo do livro, fez com que a leitura fosse muito divertida.

Fuçando no Goodreads acabei descobrindo que as autoras irão escrever outros livros sobre outras personagens com o nome Jane. COMO EU NÃO SABIA DISSO? Mal posso esperar para ler essas outras histórias. Inclusive o próximo será sobre Jane Eyre, personagem criada por Charlotte Bronte.

Se você gosta de livros históricos com uma pegada diferente, uma boa dose de humor, você irá adorar Minha Lady Jane.

 Livro: Minha Lady Jane
Autor (a): Cynthia Hand, Jodi Meadows e Brodi Ashton
Editora: Valentina
Número de Páginas: 368
Classificação:

Resenha: Hush - A morte ouve

Para continuar a remessa de resenhas sobre filmes que eu assisto durante o final de semana, o do último escolhi "Hush: a morte ouve", que vem sido muito comentado, principalmente por ter entrado na plataforma de streaming Netflix. Ah, caso você não tenha visto esse filme, esse post contém spoilers. 


Para começar, a protagonista do filme, escritora Maddie Toung sofreu de uma meningite na adolescente e, após um erro durante uma cirurgia para reverter o processo, perdeu totalmente a audição, e por consequência, a voz. E por isso, acabou se isolando, tendo poucos vizinhos. 
Porém, quando um homem mascarado aparece na porta de sua casa, mas ela não percebe justamente por não poder ouvir, ele passa a ter acesso a casa dela e rouba seu celular, deixando-a PRATICAMENTE incomunicável com outras pessoas, e quando Maddie percebe a presença do homem misterioso, ela tentará pedir ajuda através de seu notebook, porém antes que ela consiga ligar para a emergência, ele corta a energia da casa e, por consequência, a internet também. A escritora se encontrará num embate com o mascarado que estará ameaçando sua vida, ela não consegue gritar, não consegue pedir ajuda e tem que lutar contra seu próprio medo e com o mascarado. 
É óbvio que, no decorrer do filme, aparece alguns personagens, porém, o foco é voltado para a Maddie, interpretada pela atriz Katie Siegel e para o homem misterioso, que foi dado a vida pelo ator John Gallagher Jr e em toda a trajetória dos dois em um ar de suspense de gato e rato. Sem falar no fator "sobrevivência" da escritora.  
Gostaria de ressaltar que o fato da protagonista não poder ouvir e do homem mascarado transforma o ambiente sem aqueles sons agudos para assustar, porque não caberia no contexto, uma vez que a protagonista não ouve. O que foi uma grande sacada do diretor Mike Flanagan, que ficou conhecido por grandes produções como "Ouija 2". Acreditem se quiserem, mas eu me assustei várias vezes mesmo sem aquele som estridente que estamos acostumados nos filmes de terror e nos de suspense também.
Ah, algo que eu gostei e gostaria de compartilhar com vocês também, é sobre uma cena em que eu achei que o filme acabava, mas ainda tinha muita coisa para acontecer no tempo que restava de filme, o que me surpreendeu, porque realmente parecia o final do filme. Fica a dica aí para vocês prestarem bem atenção nessa cena e só vou dizer que é do meio para o final do longa.

Bom, não vou contar mais detalhes, porque se não acabo contando o filme inteiro e perde a graça, não é? 

Trailer

Gostou da dica da semana? Não se esqueça de compartilhar com a gente o que você achou do filme, ok? Até semana que vem! 

Shadowhunters: Vem, season 3!

Todo ano acontece a NYCC, assim como no Brasil acontece a Comic Con Experience,  que conta com divulgações de novas séries e temporadas. E uma das novidades mais aguardadas, pelo menos por mim, é sobre Shadowhunters, da Freeform. 


A série, que atualmente está na produção de sua terceira temporada, já ganhou uma legião de fãs, não só aqueles que leram os livros de Cassandra Clare, mas quem acompanha Shadowhunters desde o começo. A segunda temporada acabou deixando todo o público com um gostinho de "quero mais", mas isso irá demorar um pouquinho para acontecer, pois, segundo a data divulgada durante o evento no painel da série, a terceira temporada só virá dia 3 de abril de 2018. O que não é de costume, pois tanto na primeira quanto na segunda temporada, começaram logo no começo do ano respectivo. 
Inclusive, já foram divulgados algumas cenas que são extremamente aguardadas, confira: 
  • Jace e Clary em um encontro mundano; 
  • Sizzy! 
  • Malec! 💙
  • Lilith, o demônio maior que apareceu no final do último episódio da segunda temporada;
  • Jordan;
  • Luke e Maryse (só eu que to shippando esse casal?)
  • E mais Clace! 
Tem mais coisas, mas aí eu vou deixar vocês com a pulga atrás da orelha para assistirem essa série maravilhosa! 

Trailer - Season 3

Agora, diga-me, mundano: já assistiu "Shadowhunters"? Compartilha o que você acha desse maravilhoso mundo das sombras. 

Resenha: Millennium - Os Homens que não Amavam as Mulheres

Talvez não tenham percebido, mas comecei a fazer posts sobre os filmes que eu passei a assistir e vou procurar fazer isso sempre que eu assistir a um longa que eu nunca tenha visto. E o dessa final de semana foi o "Millennium: Os Homens que não Amavam as Mulheres" ou "The Girl With Dragon Tattoo" lançado no comecinho de 2012 pela Sony Pictures.  


De início, o filme aborda o caso do jornalista investigativo Mikael Bomkvist, interpretado por Daniel Craig - particularmente, um dos melhores 007 - que trabalha para a revista Millennium e enfrenta um processo por calúnia e difamação de um grande empresário. Mas não é esse o foco do filme, o que pode acabar te confundindo um pouco. 
Eis então que ele é procurado poHenrik Vanger, interpretado por Christopher Plummer, que após muitos e muitos anos, 36 anos para ser mais exata, ainda está em busca de sua sobrinha, Harriet Vanger, que desaparecera após um grave acidente na ponte que ligava sua casa a outros lugares. Em paralelo, Lisbeth Salander, personagem vivida pela atriz Rooney Mara, enfrenta dificuldades para se inserir na sociedade, principalmente após o AVC de seu tutor e é obrigada a fazer coisas e sofre coisas para conseguir dinheiro para comida e aluguel de seu apartamento. 
Agora você deve estar se perguntando... Eles têm alguma conexão? Até muito tempo de filme, eu também achava que não, ela apenas era a hacker que tinha pesquisado a vida toda do jornalista para o empresário que o processava, mas fora isso, não tinham conexão alguma. Então, percebendo que precisa de ajuda na busca de Harriet, Mikael procura a tal hacker que entregou toda sua vida em uma bandeja para quem o queria bem longe do jornalismo investigativo. E, então, a trama começa a desenrolar em busca do assassino da jovem, mas em meio a uma família repleta de nazistas, o assassino está entre eles, mas quem? 
No que se refere às filmagens, não há o que falar, impecável. Nem vou comentar das interpretações, principalmente de Rooney que, mesmo sendo cinematográfico, tem cenas fortes e pra quem tem estômago e não é qualquer atriz que passaria por isso, na minha opinião. O diretor, já bem reconhecido no ramo, David Fincher, já dirigiu grandes filmes como "Garota Exemplar", "Zodíaco" que possuem suas semelhanças, "Quarto do Pânico", "O Curioso caso de Benjamin Button" e "Clube da Luta". Agora me responda você, tem como esse filme não ser bom? Pelo amor, né? Ele te prende do começo ao fim. 


Trailer


Já assistiram o filme? Compartilhem com a gente o que vocês acharam dele!