Resenha: Ruína e Ascensão - Leigh Bardugo


Sinopse:

A capital caiu.
O Darkling comanda Ravka em seu trono das sombras. Agora o destino da nação depende de uma Conjuradora do Sol arruinada, de um rastreador desonrado e dos cacos do que antes fora um grande exército mágico.
No fundo de uma antiga rede de túneis e cavernas, uma fraca Alina deve se submeter à duvidosa proteção do Apparat e daqueles que a veneram como uma Santa. Porém, sua mente está na busca pelo misterioso pássaro de fogo e na esperança de que um príncipe foragido ainda esteja vivo.
Alina deverá formar novas alianças e deixar de lado velhas rivalidades, enquanto ela e Maly buscam pelo último dos amplificadores de Morozova. Mas assim que começa a elucidar os segredos do Darkling, ela descobre um passado que mudará para sempre seu entendimento sobre a ligação que os une e o poder que ela carrega. O pássaro de fogo é a única coisa que está entre Ravka e a destruição — e reivindicá-lo pode custar a Alina o futuro pelo qual ela tem lutado.

Queria saber porque eu tive a brilhante ideia de emendar Sonhos com Deuses e Monstros com Ruína e Ascensão. Agora estou aqui destruída, com uma ressaca literária imensa e sem saber o que fazer da minha vida. Mas enfim, vamos falar sobre essa genialidade que é Ruína e Ascensão.


Depois daquele cliffhanger do volume anterior não sabia o que esperar. Após enfrentar o Darkling e quase morrer por isso, Alina perdeu suas habilidades de Conjuradora do Sol. Agora ela está escondida na Catedral Branca, que faz parte de uma antiga rede de túneis. Sem seus poderes, ela depende do Apparat para conseguir formar um exército, mas ela sabe que terá que ir em busca do último amplificador de Morozova, o pássaro de fogo, para assim conseguir derrotar o Darkling e restaurar a ordem em Ravka. Com poucos aliados, Alina depende dos poucos Grishas que restaram, de Maly, seu melhor amigo e rastreador, e de Nikolai, um príncipe que pode ou não estar morto.


Mesmo contra a vontade do Apparat, Alina e os seus aliados vão em busca do terceiro amplificador de Morozova, sendo que a sua localização é desconhecida e ele pode até não existir. Maly é o único capaz de localizar o pássaro de fogo, já que possui habilidades extraordinárias de rastreador. Sem saber no que o uso dos três amplificadores combinados irá lhe transformar, Alina sabe que essa é a única forma de conseguir derrotar o Darkling, e está disposta a arriscar a sua vida para conseguir isso.


Ao contrário do livro anterior, que teve um ritmo mais lento, Ruína e Ascensão é caracterizado por uma sequência de cenas de ação. Quando eu pensava que as coisas iriam ficar calmas por um tempo, alguma coisa acontecia e mudava totalmente o rumo da história. O que é ótimo, porque ninguém merece ler um livro inteiro e só ter algumas cenas de ação apenas no final. 


Tinha dito na resenha de Sol e Tormenta como o desenvolvimento da personagem é possível de notar ao decorrer das páginas. Alina passou de uma mera cartógrafa, para uma Grisha poderosa e agora é considerada uma Santa!


Mesmo que Alina saiba que a sua ligação com o Darkling não é saudável, ela para de lutar contra isso. Afinal, querendo ou não eles são parecidos. Alina sabe que essa ligação pode fazer toda a diferença na hora de enfrenta-lo e usa isso ao seu favor. Nesses momentos nós conseguimos enxergar um lado mais humano dele e até entender um pouco as suas motivações. Apesar dos pesares, o Darkling ainda é o meu personagem favorito e não há nada que irá mudar isso.


Fiquei pulando de alegria quando soube que a Leigh Bardugo irá escrever um spin-off sobre o mundo dos Grishas. Six of Crowns, o primeiro volume, aparentemente será lançado ainda esse ano.


Acho que nem preciso dizer que amei esse livro não é? Mesmo tendo achado o final um pouco previsível, achei que concluiu bem a trilogia. Queria que alguns personagens tivessem tido um final diferente, mas te perdoo ok Leigh Bardugo? 

Livro: Ruína e Ascensão
Autor(a): Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Número de Páginas: 344
Classificação:

0 comentários:

Deixe seu comentário