Resenha: Legend - Marie Lu


Sinopse:

Ambientado na cidade de Los Angeles em 2130 D.C., na atual República da América, conta a história de um rapaz – o criminoso mais procurado do país – e de uma jovem – a pupila mais promissora da República –, cujos caminhos se cruzam quando o irmão desta é assassinado e a ela cabe a tarefa de capturar o responsável pelo crime. No entanto, a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda.
O que outrora foi o oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação eternamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim.
De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos.




Estava um pouco hesitante quando li Legend pela primeira vez ano passado. Por ser um livro distópico, achei que ele traria mais do mesmo sabe? Mas me enganei. É claro que ele tem as características comuns das distopias: um governo totalitário, uma população oprimida e alguns personagens que lutam para acabar com essa opressão. Porém, a similaridade acaba aí.


Em Legend nós acompanhamos dois personagens: June e Day. June é a prodígio da República e a única pessoa que conseguiu alcançar a pontuação máxima no teste. Já Day vem de uma família pobre e é o fugitivo mais procurado da República. A história deles se entrelaça quando o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. June é designada para a missão de rastrear e prender Day e nessa missão ela começa a descobrir que nem tudo o que a República diz é verdade.


Achei que por se tratar do primeiro livro de uma trilogia, ele conseguiu abordar bem o mundo criado pela autora, ao mesmo tempo que desenvolvia a história dos dois personagens principais.


No começo peguei uma leve birra com a June. Achava ela sem carisma nenhum e até um pouco chata, mas depois eu consegui entender que a personalidade dela era resultado de anos de lavagem cerebral feita pela República. Ela foi treinada para ser apenas um soldado e não demonstrar e nem sentir emoções. Já Day logo de cara achei um personagem fantástico. Mesmo sendo considerado um “criminoso”, ele tinha um código moral e tudo o que ele fazia era para manter a família dele segura.


Alguns elementos da história são bem interessantes, como o fato da República realizar uma prova com todas as crianças aos 10 anos, o resultado dela irá designar qual cargo a pessoa irá ocupar. O livro possui várias similaridades com o livro 1984, escrito por George Orwell. Por exemplo, a figura central do governo em Legend é o Primeiro Eleitor, bastante semelhante com o Grande Irmão de 1984. Em Legend, a República está a anos em guerra com as colônias, mas ninguém sabe ao certo o motivo verdadeiro para essa guerra. A população apenas aceita como verdade o que a República diz e não questiona nada. O mesmo acontece no livro escrito por Orwell.



Se você leu Jogos Vorazes e Divergente, garanto que irá gostar de Legend.

Livro: Legend          
Autor(a): Marie Lu
Editora: Prumo
Número de Páginas: 256
Classificação: 

0 comentários:

Deixe seu comentário