Resenha: Mosquitolândia - David Arnold



Sinopse:

Após o inesperado divórcio dos pais, Mim Malone é arrastada de sua casa em Ohio para o árido Mississippi, onde passa a morar com o pai e a madrasta e a ser medicada contra a própria vontade. Porém, antes mesmo de a poeira da mudança baixar, ela descobre que a mãe está doente. Mim foge de sua nova vida e embarca em um ônibus com destino a seu verdadeiro lugar, o lar de sua mãe, e acaba encontrando alguns companheiros de viagem muito interessantes pelo caminho. Quando a jornada de mais de mil quilômetros toma rumos inesperados, ela precisa confrontar os próprios demônios e redefinir seus conceitos de amor, lealdade e sanidade. Com uma narrativa caleidoscópica e inesquecível, Mosquitolândia é uma odisseia contemporânea, uma história sobre as dificuldades do dia a dia e o que fazemos para enfrentá-las.

“Sou uma coleção de esquisitices, um circo de neurônios e elétrons: meu coração é o dono do circo; minha alma o trapezista, e o mundo, minha plateia. Parece estranho porque é estranho, e é estranho porque sou estranha”.
Mosquitolândia foi uma grande surpresa para mim. Claro que eu já havia lido alguns comentários dizendo que ele era ótimo, mas eu não imaginava o impacto que ele causaria em mim. Ele me marcou de um jeito, que eu estava sem saber como escrever essa resenha. Mosquitolândia é aquele tipo de livro que você tem vontade de abraçar quando termina e nunca mais largar.
Mim (Mary Iris Malone) não é uma adolescente comum e para ela está tudo bem. Seus pais se separaram. Ela teve que atravessar o país e ir morar com o seu pai e a nova esposa. Um dia Mim descobre que sua mãe está doente e decidi fugir do Mississipi e ir até Cleveland, Ohio, ficar com ela. Durante a viagem, Mim conhece pessoas que irão mudar a sua vida para sempre.


 “Meu nome é Mary Iris Malone, e eu não estou nada bem”.

A Mim é incrível. Ela é peculiar em sua própria maneira. O que eu mais gosto na Mim é que ela é uma personagem bem resolvida, ela sabe que ela não se encaixa nos padrões intitulados como “normais” pela sociedade, e ela não se importa nem um pouco com isso. Para ela as suas singularidades são o que fazem dela uma pessoa interessante. Ela é a narradora do livro, então toda essa peculiaridade dela é refletiva na narrativa. O que eu achei incrível. Toda a turbulência do que ela sente, o que ela pensa, é retratada na narrativa.
Mosquitolândia não é um livro sobre uma road trip comum. O foco não é o trajeto percorrido pela personagem, mas sim a mudança dela nessa jornada. Apesar das coisas ruins que aparecerem no seu caminho, ela não desanima. Ela tem um objetivo e fará de tudo para chegar até ele.
Eu recomendo fortemente esse livro. Se você gosta de livros YA’s que abordam temas profundos com uma boa dose de humor garanto que você irá gostar de Mosquitolândia.

Livro: Mosquitolândia
Autor (a): David Arnold
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 352
Classificação:
Skoob

0 comentários:

Deixe seu comentário