Resenha: Millennium - Os Homens que não Amavam as Mulheres

Talvez não tenham percebido, mas comecei a fazer posts sobre os filmes que eu passei a assistir e vou procurar fazer isso sempre que eu assistir a um longa que eu nunca tenha visto. E o dessa final de semana foi o "Millennium: Os Homens que não Amavam as Mulheres" ou "The Girl With Dragon Tattoo" lançado no comecinho de 2012 pela Sony Pictures.  


De início, o filme aborda o caso do jornalista investigativo Mikael Bomkvist, interpretado por Daniel Craig - particularmente, um dos melhores 007 - que trabalha para a revista Millennium e enfrenta um processo por calúnia e difamação de um grande empresário. Mas não é esse o foco do filme, o que pode acabar te confundindo um pouco. 
Eis então que ele é procurado poHenrik Vanger, interpretado por Christopher Plummer, que após muitos e muitos anos, 36 anos para ser mais exata, ainda está em busca de sua sobrinha, Harriet Vanger, que desaparecera após um grave acidente na ponte que ligava sua casa a outros lugares. Em paralelo, Lisbeth Salander, personagem vivida pela atriz Rooney Mara, enfrenta dificuldades para se inserir na sociedade, principalmente após o AVC de seu tutor e é obrigada a fazer coisas e sofre coisas para conseguir dinheiro para comida e aluguel de seu apartamento. 
Agora você deve estar se perguntando... Eles têm alguma conexão? Até muito tempo de filme, eu também achava que não, ela apenas era a hacker que tinha pesquisado a vida toda do jornalista para o empresário que o processava, mas fora isso, não tinham conexão alguma. Então, percebendo que precisa de ajuda na busca de Harriet, Mikael procura a tal hacker que entregou toda sua vida em uma bandeja para quem o queria bem longe do jornalismo investigativo. E, então, a trama começa a desenrolar em busca do assassino da jovem, mas em meio a uma família repleta de nazistas, o assassino está entre eles, mas quem? 
No que se refere às filmagens, não há o que falar, impecável. Nem vou comentar das interpretações, principalmente de Rooney que, mesmo sendo cinematográfico, tem cenas fortes e pra quem tem estômago e não é qualquer atriz que passaria por isso, na minha opinião. O diretor, já bem reconhecido no ramo, David Fincher, já dirigiu grandes filmes como "Garota Exemplar", "Zodíaco" que possuem suas semelhanças, "Quarto do Pânico", "O Curioso caso de Benjamin Button" e "Clube da Luta". Agora me responda você, tem como esse filme não ser bom? Pelo amor, né? Ele te prende do começo ao fim. 


Trailer


Já assistiram o filme? Compartilhem com a gente o que vocês acharam dele! 

0 comentários:

Deixe seu comentário